Pólo Norte pode ficar sem gelo em 2008, diz cientista

O pólo Norte pode ficar sem gelo no próximo Verão, antecipando assim em várias décadas um cenário previsto para o final deste século pelo IPCC (Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas.
Para o Centro Nacional de Gelo e Neve dos EUA, a hipótese de o pólo Norte ter todo o seu gelo marinho derretido ainda este ano é «perfeitamente possível».
Segundo o investigador Mark Serreze, tudo depende do padrão de clima. «Um padrão quente, como o que tivemos no verão passado, irá aumentar as possibilidades. Um padrão mais frio irá ajudar a manter a cobertura de gelo no pólo Norte», disse.
Cientistas japoneses também alertaram que o gelo do Ártico está a derreter rapidamente.
A Agência Japonesa de Exploração Aeroespacial afirma que a área coberta por placas de gelo no oceano pode encolher neste Verão e tornar-se a menor desde 1978, quando a observação por satélites começou.
Parte do gelo marinho derrete a metade do ano (no Verão setentrional), para voltar a congelar depois novamente. No entanto, sob a influência do aquecimento global, a porção que derrete é cada vez maior, e a que volta a congelar cada vez menor.
Em Setembro do ano passado, a capa de gelo marinho do Ártico quebrou todos os recordes e encolheu mais de 1 milhão de km2 em relação ao valor mínimo registado anteriormente. Com isso, foi aberta pela primeira vez a Passagem Noroeste, almejada rota marítima entre Europa e Ásia por onde até então não era possível passar.
Para Serreze, essa abertura pode ocorrer novamente, «mas ninguém sabe realmente».
«É uma aposta certa, entretanto, que com o passar das décadas ficará cada vez mais aberta», disse.
Segundo o estudo dos EUA, a média de extensão de gelo em Abril de 2008, período da Primavera, não foi a mais baixa dos últimos tempos, mas está abaixo da média para este mês entre os anos de 1979 e 2000.
A situação actual é preocupante porque, embora haja mais gelo do que em 2007, o declínio tem sido muito rápido – a taxa de redução de gelo no mês passado foi de 6.000 km2 por dia.
Parte da explicação, segundo o centro norte-americano, é o calor que marcou Abril no oceano Ártico. Em algumas zonas, as temperaturas ficaram 5ºC acima da média.
Outro dos problemas encontrados é que a cobertura de gelo nesta Primavera tem uma proporção elevada de gelo fino, com um ano de idade. Cerca de 30% do gelo com um ano sobrevive ao Verão, contra 75% do gelo mais velho.
Para evitar bater o recorde de 2007, mais de 50% do gelo com apenas um ano teria de sobreviver, o que só ocorreu uma vez nos últimos 25 anos, em 1996.
As projecções do Centro Nacional de Gelo e Neve referem que em Setembro passado havia 4,28 milhões de km2 de gelo. Ao aplicar as taxas médias para as condições actuais, no final deste Verão haverá 3,59 milhões de km2. Se as taxas forem como as de 2007, restarão 2,22 milhões de km2.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: